A vida de uma alérgica à esmaltes! | Gloss Wish

11

março

2012

A vida de uma alérgica à esmaltes!

Categorias: Dicas

Bom, galera, vou falar sobre um tema hoje que já me tirou muito o sono…
Depois de anos e anos (é educado não perguntar quantos!) fazendo as unhas, tanto em casa quanto na manicure, descobri em 2011 que sou alérgica à esmaltes. 
Tudo começou do nada. Um belo dia acordei com muita coceira na região do pescoço, olhos e boca. A pele começou a ficar super irritada, com pontos bem vermelhos, e a entorno dos olhos e boca ficou bem grossa e escamando. Fiquei desesperada, porque não sabia o que era.
 
Foto: Dreamstime
 
Depois de deixar de comer várias coisas, de parar de usar tantos outros produtos e nada resolver, senti a necessidade de ir numa clínica de alergia, e descobri o que era: alergia de alguns componentes presentes na elaboração do esmalte.
Li e me informei bastante sobre o assunto, afinal de contas tive que me desfazer das dezenas de esmaltes que tinha, e aprendi muita coisa interessante!
As reações alérgicas são causadas pelo tolueno e formaldeído presentes na composição dos esmaltes. Mas a alergia pode não ser desses componentes e sim da mica, que é um pigmento usado nos esmaltes cintilantes e perolados.
– Tolueno
O tolueno ou metil benzeno é usado como matéria prima para fazer uma série de substâncias, dentre elas, detergentes, medicamentos, perfumes, TNT, esmaltes, entre outras.
É um líquido incolor com odor característico. Ocorre na forma natural no petróleo e na árvore tolú e também pode ser produzido durante a manufatura da gasolina e de outros combustíveis a partir do petróleo cru.
Devido ao seu basto custo é utilizado no esmalte como solvente. É o causador de 95% das alergias ao esmalte.
– Formaldeído
O formaldeído ou metanal é um gás muito usado em produtos químicos. É utilizado de forma inapropriada para alisar cabelos, onde é conhecido como formol. Essa substância é extremamente tóxica e pode causar sérios danos a saúde.
No esmalte, o formaldeído está presente na resina, que tem por função dar aderência e durabilidade do produto. Até o momento o formaldeído só está proibido nos Estados Unidos, Canadá e nos países do oeste europeu.
Soube ainda, que existe uma resolução da Anvisa, a RDC162, que regulamenta a quantidade de formaldeído nos esmaltes. Tomara que nosso país se conscientize do mal que causa com esses componentes, e mude a formulação dos esmaltes nacionais.
Sabendo de tudo isso comecei a procurar quais esmaltes seriam os ideais pra mim. E além das marcas nacionais hipoalergênicas, tais como Risqué, Impala, Colorama, Argento, Eclat, uso também os da Revlon, O.P.I., Bourjois. Mas sei da existência de muitas outras, tais como Ludurana, Mavala, MAC, Orly, Artdeco, que ainda não experimentei. Mas são dois os pontos fracos: o preço e a falta de variedade de cores!

 

Quanto aos valores, os da Argento são os mais baratos. Algo em torno de R$3,50, e você o encontra em perfumarias. Já os demais nacionais ficam na faixa dos R$8,00 à R$15,00. O ruim também é que não se encontra em todo lugar. Normalmente, encontro na Droga Raia (inclusive os da Revlon), na Alergoshop, na Nikkey, na Allergic Center na Sack´s e em sites gringos, como o Head2Toe.

 
DICA! Além dos esmaltes hipoalergênicos, o que funcionou bastante pra mim foi evitar tirar as cutículas, e sim mantê-las bem hidratadas e criar o hábito de empurrar, empurrar, empurrar! Mas essas dicas ficarão para outro post! 😉
Não se esqueça apenas que é sempre bom procurar um médico para saber maiores detalhes sobre as alergias, e sobre as reações que cada um traz!
Espero que tenham gostado e aprendido bastante, assim como eu!!!
Bjuus!!!!
 
 





Deixe o seu comentário: